Author: Susan Witte

Fim da Borders = fim dos livros?

Não encontrei mais ninguém para compartilhar meu pesar em relação ao fechamento da Borders, segunda  maior rede de livrarias dos Estados Unidos. Poucos se importaram com a notícia aqui no Brasil, como mais um dos resultados da crise econômica norte-americana. Mas será mesmo somente a crise a causa do fechamento das quase 400 lojas remanescentes? O descaso do governo e de investidores ao pedido de socorro da empresa, em conjunto com a rápida difusão dos e-readers revela outra perspectiva da situação: os americanos se importam cada vez menos com livros e cada vez mais com tecnologia. Obviamente que as...

Read More

Espetáculo independente faz sucesso sem patrocínio

A falta de investimento na cultura, inclusive no teatro, não é nenhuma novidade no Brasil. A peça teatral “Baião de Dois”, apresentada em São Paulo por Vida Vlatt e Renato Galvão, é uma iniciativa dos próprios atores para, segundo Vida, “trazer alegria e risadas para as pessoas”, e não conta com patrocínios ou ajuda do governo. Ao encerrar cada apresentação, a atriz explica que a divulgação é mesmo feita pelo “boca-a- boca”, e pede para que o público recomende a peça para quem tiver interesse. O ingresso que for passado a diante, garante um desconto para a próxima pessoa...

Read More

Feira File Decepciona

  A décima primeira edição da feira File (Eletronic Language International Festival), que acontece uma vez por ano em São Paulo, decepcionou muitos de seus visitantes. Aqueles que já estão envolvidos na área de tecnologia, arte digital ou design, pouco se impressionaram com a exposição, que acontece no prédio da FIESP, na Avenida Paulista. Vivemos em uma geração que está tão acostumada com a tecnologia, que ao ouvir falar de uma exposição de arte tecnológica, criamos grandes expectativas. É de se esperar, portanto, que os efeitos de uma feira como a File não sejam de absoluta admiração. Entretanto, os games que demoram vários minutos para...

Read More

Manipulações da mídia?

Imagine uma sala de aula em uma universidade brasileira. A aula é de história, o assunto, revolução francesa. Os alunos se concentram para absorver as informações que o professor, incansável, derrama sobre eles. O professor se vira, por um minuto, para escrever algo na lousa. Por uma fração de segundos, a sala parece estar em silêncio, mas logo percebe-se um murmurinho no fundo da sala. Duas estudantes conversam com entusiasmo sobre algo que aconteceu na noite anterior: “e ele xingou ela?” os alunos mais próximos se abstêm da aula, ouvindo a conversa das vizinhas: “é ele xingou ela de tudo, falou que ela não merecia mais ele”. Mais alunos passam a ouvir a conversa, o professor já voltou à sua explicação dos motivos da revolução. “E ela está grávida, né, mas não sabe se é dele”, uma delas explica, “ então ela não tinha contado, mas ele descobriu pela melhor amiga dela”. Metade da sala está toda ouvidos às garotas, ignorando o professor. “Ela saiu chorando e jurou que ia acabar com o namoro dele”, a amiga, desentendida, faz a pergunta que toda a sala queria fazer: “Eles não namoram???” Somente os alunos sentados nas carteiras mais distantes não prestam atenção aos acontecimentos da noite anterior, o resto da turma se pergunta se conhece os personagens da história. “Não”, ela responde, “ele namora a melhor amiga dela, mas traiu...

Read More

O Mundo Mágico de Escher

Exposição do artista holandês está em São Paulo até 17 de julho de 2011 Famoso por seus desenhos que retratam uma arquitetura impossível, o matemático holandês Maurits Cornelis Escher, produziu, durante sua vida, por volta de 488 litografias, esculturas e gravações em madeira, e mais de 2000 desenhos. Escher nasceu em 1898, em uma época em que se pensava que o advento da fotografia iria muito em breve substituir as pinturas. Provando o contrário, Escher criou desenhos que jamais poderiam ser reproduzidos através da fotografia, focados naquilo que é fisicamente impossível e fazendo intenso uso da ilusão de ótica....

Read More
  • 1
  • 2