Uma Ilha Chamada Brasil

Para quem gosta de curiosidades sobre nossa história, essa é uma leitura obrigatória. Geraldo Cantarino faz nesse livro uma viagem pelas origens do nome “Brasil”, e leva o leitor ao contato com informações surpreendentes. Muito longe de estar resolvida essa questão do nome do Brasil, Cantarino nos revela que ela é um nó desatado que falta resolver em nosso passado.

Com uma linguagem despojada e clara, muito diferente do habitual em livros que tratam de história, Cantarino avança pelas hipóteses levantadas ao longo dos séculos, sem o compromisso do acadêmico que quer sustentar a própria tese. Mostrando liberdade de espírito, ele chega até mais de três mil anos atrás, quando os celtas designaram “Brazil” uma ilha mítica que se localizava a oeste, para dentro do oceano Atlântico.

Para aqueles que ainda acreditam que o Pau Brasil, a árvore que segundo Alexander Von Humboldt emprestou seu nome ao território, é a melhor explicação para o nome do Brasil, a leitura dessa obra pode abrir um extenso horizonte de novas reflexões. Talvez realmente a história do Brasil esteja imersa em um cenário muito maior e mais profundo do que os meros 500 anos que costumamos atribuir a ela. Só por essa razão já vale a pena a leitura desse delicioso livro.

Como é de se esperar em um trabalho que rasga teses pasteurizadas e oferece novas possibilidades de leitura de nosso passado, alguns historiadores levantaram a voz contra o esforço de Cantarino, alegando que a obra tem pouca sustentação acadêmica. Pois bem, essa é justamente a qualidade que caracteriza um empreendimento inovador no mundo das idéias. Se todo mundo ficasse preso aos estreitos limites do pensamento acadêmico, certamente perderíamos o entusiasmo intelectual e o mundo emperraria por medo das inovações.

Leitura recomendada!