Entre julho e agosto, durante a estação das monções (fortes chuvas) é possível assistir, nos Himalaias, a um extraordinário espetáculo de beleza e magia – centenas de espécies de flores surgem por um curto período, transformando um dos vales de Uttarakhand (Uttaranchal Pradesh), na Índia no mais belo cenário natural do mundo.

A 3400 metros, caminha-se no céu...

O caminho para Badrinath, um dos mais sagrados locais de peregrinação do Hinduísmo, oculta o acesso a um vale que os habitantes da região acreditam desde a Antiguidade ser habitado por “apsarasas” (espécies de fadas na mitologia hindu). Devido ao temor de ser levados para o além por essas fadas, jamais alguém se atreveu a montar residência nesse vale, que manteve sua exuberante natureza silvestre intacta até os dias atuais. O local é conhecido como “Vale das Flores”.

Com uma área de quase noventa quilômetros quadrados, esse vale está elevado a mais de 3.000 metros acima do nível do mar, encravado ente montanhas de cerca de 7.000 metros de altura. A beleza geológica desse cenário já é, por si mesma, estonteante. Mas é na época das chuvas que a presença das “fadas” se manifesta na forma de uma floração simultânea de mais de 300 espécies diferentes de flores – entre orquídeas, prímulas, calêndulas, margaridas, gerânios, rododendros, papoulas e dezenas de espécies exóticas com as mais variadas cores e formatos. Embora haja florações pontuais desde o derretimento das neves do inverno, em março, é no período de julho a agosto que quase todas as espécies mostram seu colorido para uma população de borboletas, antílopes, lebres e pássaros das montanhas.

Algumas flores se expõem individualmente ou em pequenos grupos, enquanto outras se estendem como carpetes por largas extensões do terreno. As nuvens baixas que passam pelo vale dão ao visitante a sensação de estar caminhando em algum lugar próximo do céu. Para quem gosta de fotografar a vida natural, a variedade de assuntos é inimaginável.

The Valley of FlowersO vale é ladeado por densas massas florestais de bétulas e outras espécies arbóreas, onde vivem alguns pequenos ursos e leopardos brancos da neve, e se abre num largo altiplano onde viceja a baixa vegetação – que oferece o raro espetáculo das flores. Esse altiplano é banhado pelo rio Pushpavati (em Sânscrito, “cheio de flores”), que desce em cachoeiras na direção do rio Alakananda – o dois dois braços fluviais que constituem o rio Ganges. Lendas locais alegam que esse foi o local em que o deus-macaco Hanuman encontrou as ervas medicinais que salvaram a vida do herói Lakshmana, no épico Ramayana.

Ocidentais descobriram a existência do Vale das Flores acidentalmente, em 1931, após uma expedição bem sucedida ao monte Kamat, na mesma região.

O Vale das Flores é reconhecido como um santuário da vida silvestre pela ONU, que através da UNESCO incluiu este parque nacional e o parque da montanha Nanda Devi entre as “Heranças do Mundo”. O local é protegido por um cuidadoso programa de preservação, que impede, entre outras coisas, a ocupação humana e até mesmo o acampamento provisório de pesquisadores.

(matéria publicada anteriormente em Yogaforum.org)